industria-portugal.com
Norelem

Como os engenheiros de design podem alcançar um novo padrão de referência em termos de eficiência

As funções dos engenheiros de design estão a mudar à medida que desempenham um papel cada vez mais ativo na cadeia de valor das empresas de engenharia. Marcus Schneck, CEO na empresa líder fabricante e distributor de peças normalizadas norelem, aborda algumas das técnicas que os engenheiros de design podem empregar para conseguir poupar tempo e dinheiro, garantir a disponibilidade preditiva de componentes e fabricar produtos mais eficientes.

Como os engenheiros de design podem alcançar um novo padrão de referência em termos de eficiência

O papel dos engenheiros de design está a mudar. Já não são responsáveis pela estética conceptual nem pelos aspetos ergonómicos do design de novos produtos, mas são cada vez mais responsáveis pelos custos associados ao desenvolvimento de produtos da forma mais eficaz e eficiente possível. Consequentemente, verifica-se em todo o setor uma pressão para criar produtos e sistemas mais funcionais com custos inferiores sem comprometer a qualidade.

Os engenheiros de design estão sem dúvida entre os profissionais que mais têm beneficiado com as tecnologias recentes. A introdução da impressão 3D está a acelerar os prazos até à colocação no mercado e a agilizar a fase inicial de criação de protótipos, permitindo que as empresas produzam mais rapidamente maiores volumes de produtos.

No entanto, e consequentemente, os engenheiros de design estão a sentir mais pressão para trabalharem de forma mais produtiva, sempre mantendo os mais elevados padrões de trabalho. Consequentemente, o menor ganho marginal que possa ser conseguido no processo de engenharia de design representa uma enorme diferença nos calendários dos projetos.

Existem muitas técnicas que os engenheiros de design podem empregar para os ajudar a serem mais produtivos, muito frequentemente reduzindo os custos no processo. Tudo se resume a identificar onde essas melhorias podem ser aplicadas e a adaptar os processos padrão em conformidade.

Como os engenheiros de design podem alcançar um novo padrão de referência em termos de eficiência

Descarregue modelos CAD existentes em vez de desenhar os seus próprios

Na era da engenharia autosuficiente, muitas empresas preferem manter o máximo possível a produção de engenharia a nível interno, eliminando os longos prazos de entrega e a dependência de fornecedores. Contudo, embora isso permita às empresas de engenharia terem um maior controlo sobre os seus processos de produção na íntegra, exige um investimento significativo de tempo que implica vários custos associados adicionais.

Por exemplo, não é incomum para empresas de engenharia produzirem os seus próprios parafusos para peças de trabalho. Mesmo para componentes comparativamente simples como estes, os engenheiros têm que dedicar de 15 a 20 minutos para criar um desenho adequado para produção, com todas as dimensões calculadas.

Se considerarmos que o preço habitual dos processos para uma hora de trabalho é de 50 a 100 €, dependendo do sistema CAD usado e da empresa em questão, isso representa um custo de aproximadamente 13 € para cada componente apenas em tempo de desenho. E tudo isto antes sequer de chegar à fase de produção. Se, além disso, uma empresa desenhar um grande número de componentes padrão, é bastante evidente que os custos e tempo associados para fazer esses desenhos pode aumentar rapidamente.

Sendo um componente padrão, é frequentemente desnecessário para as empresas de engenharia desenharem os seus próprios parafusos para peças de trabalho se for possível obtê-los junto de fornecedores profissionais de componentes padrão a preços inferiores e com ampla disponibilidade.

Atualmente, a aquisição externa de parafusos, batentes ou grampos para peças de trabalho é complementada com todos os desenhos e dados de design relevantes, que podem ser integrados em sistemas CAD existentes. Isso permite que os desenhos CAD fiquem disponíveis como referências estáticas, eliminado os tempos e custos associados à configuração e desenho manuais desses componentes.

Através da utilização do máximo de componentes padrão possível, os engenheiros de design podem tornar-se mais eficientes e, de um modo geral, poupar dinheiro.

Procure peças que resultem em qualidade de série
Dedicar algum tempo para perceber quais os componentes disponíveis de série durante o processo de produção antes de começarem a trabalhar nos seus próprios designs é sempre um exercício útil para os engenheiros de design.

O estabelecimento de parcerias com fornecedores competentes de peças também pode trazer benefícios caso os componentes falhem durante a produção. Em vez de voltarem a desenhar componentes com as mesmas dimensões e designs que os apresentados no desenho CAD, os engenheiros de design podem voltar a encomendar os mesmos componentes usando catálogos ou números de referência. Através da implementação de um processo de recolha e colocação, é possível reduzir substancialmente os prazos até à colocação no mercado.

Também é importante não esquecer que componentes padrão fornecidos por parceiros externos já terão sido testados e comprovados e terão desempenhos, capacidades e tolerâncias reconhecidos. Isto, por sua vez, reduz o tempo que seria necessário para os testar e desenvolver internamente.

Consequentemente, os componentes padrão têm muito frequentemente posições de tensionamento e definição mais fáceis, o que pode resultar em tempos de montagem mais rápidos - outro ganho marginal que pode ajudar os engenheiros de design a serem ainda mais produtivos ao longo do tempo.

Reduza os custos de design e produção
O tempo dos engenheiros de design é precioso. Desempenhando uma função que lida com enormes volumes de informação, os engenheiros de design já têm trabalho suficiente com tarefas técnicas e informáticas para ainda terem que dedicar mais tempo à procura de informações sobre determinados componentes ou a redesenhar peças normalizadas do zero.

Foi por estes motivos que a norelem lançou o THE BIG GREEN BOOK em 2003 na forma de guia de referência completo de peças normalizadas para engenheiros de design.

O THE BIG GREEN BOOK não só apresenta o amplo portefólio de mais de 45.000 produtos da norelem, 98% dos quais estão disponíveis em inventário, como também inclui todas as informações de que os engenheiros de design precisam para transformar as suas ideias em realidade.

Foi estruturado de forma lógica para orientar os leitores para explicações sobre como as peças padrão podem ser integradas para auxiliar ainda mais nos processos de design, ajudando os engenheiros de design a reduzir custos e tempos gastos.
Como os engenheiros de design podem alcançar um novo padrão de referência em termos de eficiência
Para mais informações sobre o amplo portefólio de produtos da norelem, visite: www.norelem.pt 

  Peça mais informações…

LinkedIn
Pinterest

Junte-se aos mais de 15 mil seguidores do IMP